OFFICINA - Revista da Associação de Arquivistas de São Paulo http://revista.arqsp.org.br/index.php/revista-da-associacao-de-arquivi <p>A Revista Officina é um periódico de acesso aberto da Associação de Arquivistas de São Paulo (ARQ-SP).</p> Associação de Arquivistas de São Paulo - ARQSP pt-BR OFFICINA - Revista da Associação de Arquivistas de São Paulo 2764-7773 <p>Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos: mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Licença Creative Commons Attribution 4.0 que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista. </p> <p><img src="https://i.creativecommons.org/l/by/4.0/88x31.png" alt="Licença Creative Commons" /></p> O arquivo de José Pedro Pinto Esposel http://revista.arqsp.org.br/index.php/revista-da-associacao-de-arquivi/article/view/14 <p>ABC</p> Clarissa Schmidt Paulo José Viana de Alencar Copyright (c) 2022 Clarissa Schmidt, Paulo José Viana de Alencar https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-06-20 2022-06-20 1 1 10.29327/263416.1.1-6 Editorial http://revista.arqsp.org.br/index.php/revista-da-associacao-de-arquivi/article/view/15 Natália Bolfarini Tognoli Ana Célia Navarro de Andrade Copyright (c) 2022 Natália Tognoli, Ana Célia Navarro de Andrade https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-06-20 2022-06-20 1 1 10.29327/263416.1.1-1 Em torno do tipo documental http://revista.arqsp.org.br/index.php/revista-da-associacao-de-arquivi/article/view/8 <p>Aborda conceitos e sua representação na Arquivologia a partir de considerações sobre a evolução histórica dos termos. Três tipos de documentos são reconhecidos: tipo diplomático, tipo jurídico e, tipo documental. Considera-se necessária uma precisa nomenclatura para distinguir as unidades documentais semelhantes, e a elas dar nome para sua representação. Reflete sobre o tipo documental na bibliografia, as diferenças metodológicas e sobre o tipo documental, forma e unidade documental.</p> Antonia Heredia Herrera Sonia Maria Troitiño Rodriguez Copyright (c) 2022 Antonia Heredia Herrera; Sonia Maria Troitiño Rodriguez https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-06-20 2022-06-20 1 1 10.29327/263416.1.1-7 O entendimento da espécie e do tipo documentais na teoria e na prática arquivísticas http://revista.arqsp.org.br/index.php/revista-da-associacao-de-arquivi/article/view/11 <p>Entre as muitas questões de terminologia arquivística ainda não definitivamente assentadas e universalmente aceitas, estão os conceitos de espécie e tipo documental. Este estudo procurou esclarecer sua definição, sua subordinação e sua aplicabilidade desde a gênese documental, no momento pré-arquivístico de criação e, posteriormente, nos momentos de tramitação do documento e do uso primário, até, já no âmbito do arquivo, o momento da sua classificação, guarda e uso secundário.</p> Heloísa Liberalli Bellotto Copyright (c) 2022 Heloísa Liberalli Bellotto https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-06-20 2022-06-20 1 1 10.29327/263416.1.1-2 A correspondência nos arquivos http://revista.arqsp.org.br/index.php/revista-da-associacao-de-arquivi/article/view/13 <p>Além de questionar o uso de termos genéricos nos instrumentos de pesquisa que pretendem representar arquivos públicos e privados, o artigo analisa as diferentes espécies associadas aos atos de relação ou correspondência. Divididas em dois grandes grupos, de acordo com seus respectivos enunciados, as espécies são submetidas a um processo de tipificação, de modo a permitir a formação de séries documentais. Com base em conceitos formulados por Heloísa Liberalli Bellotto em seus mais recentes trabalhos sobre tipologia documental, a correspondência vem definida em glossário de espécies e tipos, inteiramente aberto a sugestões dos profissionais empenhados em conferir maior rigor a seus projetos descritivos.</p> Ana Maria de Almeida Camargo Copyright (c) 2022 Ana Maria de Almeida Camargo https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-06-20 2022-06-20 1 1 10.29327/263416.1.1-3 Uma abordagem arquivística dos recortes de jornal http://revista.arqsp.org.br/index.php/revista-da-associacao-de-arquivi/article/view/10 <p>Os recortes de jornal, presentes em arquivos de natureza institucional ou naqueles acumulados por indivíduos, impõem desafios teóricos e práticos a todas as etapas do tratamento documental. Este artigo explora alguns desses desafios, especialmente aqueles relacionados à descrição, com ênfase no reconhecimento das espécies e tipos documentais que caracterizam o material usualmente nomeado pela expressão genérica “recortes de jornal”. Para tanto, discute o estatuto documental dos recortes, na tentativa de enquadrar sua existência nos arquivos como o reflexo de uma prática social enraizada numa longa e rica tradição. Ainda, demonstra como os conceitos da diplomática podem ser articulados aos aportes de outros campos disciplinares, tais como o jornalismo, a comunicação social, a editoração e a linguística aplicada, o que resulta numa metodologia de análise por meio da qual se torna possível identificar, nomear e definir as espécies documentais derivadas da atividade jornalística encontradas nos arquivos sob o formato de recorte. Por fim, o trabalho apresenta definições de espécies documentais que podem ser empregadas na descrição unitária e serial dos recortes, e conclui apontando possíveis desdobramentos para a pesquisa, sobretudo no que diz respeito à manifestação das espécies ligadas ao jornalismo digital.</p> José Francisco Guelfi Campos Copyright (c) 2022 José Francisco Guelfi Campos https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-06-20 2022-06-20 1 1 10.29327/263416.1.1-4 Considerações sobre tipos documentais em gêneros não textuais http://revista.arqsp.org.br/index.php/revista-da-associacao-de-arquivi/article/view/9 <p>O presente estudo tece algumas considerações sobre a identificação tipológica aplicada aos gêneros não textuais e apresenta a importância da definição de gênero e de um projeto descritivo unificado que contemple todo o acervo. Os autores reconhecem que a abordagem tipológica seja uma solução possível aos documentos não textuais. Ao se considerar a totalidade de um acervo no processo de organização, admitindo-se as diferentes linguagens e técnicas de registro que o compõem, deve-se perseguir um horizonte comum na descrição do conjunto.</p> Camilla Campoi de Sobral Copyright (c) 2022 Camilla Campoi de Sobral https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-06-20 2022-06-20 1 1 10.29327/263416.1.1-5