Considerações sobre tipos documentais em gêneros não textuais

Autores

  • Camilla Campoi de Sobral Universidade Federal Fluminense (UFF)

DOI:

https://doi.org/10.29327/263416.1.1-5

Palavras-chave:

Gênero documental, Contexto, Tipos documentais, Descrição arquivística

Resumo

O presente estudo tece algumas considerações sobre a identificação tipológica aplicada aos gêneros não textuais e apresenta a importância da definição de gênero e de um projeto descritivo unificado que contemple todo o acervo. Os autores reconhecem que a abordagem tipológica seja uma solução possível aos documentos não textuais. Ao se considerar a totalidade de um acervo no processo de organização, admitindo-se as diferentes linguagens e técnicas de registro que o compõem, deve-se perseguir um horizonte comum na descrição do conjunto.

Referências

ARQUIVO NACIONAL. Dicionário brasileiro de terminologia arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005.

BRENNEKE, Adolf; LEESCH, Wolfgang; PERRELLA, Renato. Archivistica: contributo alla teoria ed alla storia archvistica europea. 1968.

CAMARGO, Ana Maria de Almeida; BELLOTTO Heloísa L. Dicionário de Terminologia Arquivística. São Paulo: Associação de Arquivistas de São Paulo (ARQ-SP), 2012.

CAMARGO, Ana Maria de Almeida. Objetos em arquivos: algumas reflexões sobre o gênero documental. Seminário Serviços de Informação em Museus, p. 157-165, 2011.

CAMARGO, Ana María de Almeida. Sobre espécies e tipos documentais. In: ARDAILLON, Danielle (Org.). Dar nome aos documentos: da teoria à prática. São Paulo: Instituto Fernando Henrique Cardoso, 2015. p. 14-30.

EASTWOOD, Terry. How Goes It With Appraisal? Archivaria, v. 36, p. 111-121, 1993.

FUNDAÇÃO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (FFHC). Glossário de Documentos. São Paulo, 2018. Disponível em: <http://acervo.ifhc.org.br/ModuloPesquisador/jsp/doctosApoio/1/gloss%C3%A1rio_documentos_01_2019.pdf>. Acesso em: 15 fev. 2022.

GONÇALVES, Janice. Como classificar e ordenar documentos de arquivo. São Paulo: Arquivo do Estado, 1998. -- (Projeto como fazer; 2). Disponível em: http://www.arqsp.org.br/arquivos/oficinas_colecao_como_fazer/cf2.pdf. Acesso em: 10 maio 2021.

HERRERA, Antonia Heredia. En torno al tipo documental. Arquivo e Administração, v. 6, n. 2, 2007.

PUT, Eddy. Une flore d’archives ? In: AUBRY, Martine; DOOM, Isabelle Chave et Vincent (Dirs.). Archives, archivistes, archivistique dans l'Europe du Nord-Ouest du Moyen Âge à nos jours. 2007. Disponível em: <http://hleno.revues.org/185>. Acesso em: 20 jan. 2019.

YEO, Geoffrey. Concepts of record: evidence, information, and persistent representations. The American Archivist, v. 70, n. 2, p. 315-343, 2007.

YEO, Geoffrey. Trust and Context in Cyberspace. Archives and Records. The Journal of the Archives and Records Association, v. 34, n. 2, p. 214-234, 2013.

Downloads

Publicado

2022-06-03 — Atualizado em 2022-06-20

Como Citar

Sobral, C. C. de. (2022). Considerações sobre tipos documentais em gêneros não textuais. OFFICINA - Revista Da Associação De Arquivistas De São Paulo, 1(1). https://doi.org/10.29327/263416.1.1-5